Total de visualizações de página

sábado, 27 de outubro de 2012

Bucareste



Diz a lenda que foi fundada, nas margens do rio Dambovita, por um pastor chamado Bucur, cujo nome significa ALEGRIA.
Com largas e arborizadas avenidas, gloriosos edíficios que remontam à Belle Époque, em 1900 Bucareste ganhou o nome de “Pequena Paris do Leste”.
A maior e a capital da Roménia, que, segundo as estatísticas de 2010, com uma densidade populacional de 2,2 milhões de pessoas, é cheia de vida e contraste.
Apesar de ser uma cidade diferente daquilo que estamos habituados, não sentimos qualquer tipo de insegurança. Desde que cá estamos que não tivemos qualquer tipo de problema de assaltos ou sustos. Há muitos episódios com os cães vádios, mas também ainda não passei por nada disso. Acho que é ter cuidado: evitar as zonas com menos gente e ignorar aquilo que nos possa transmitir menos confiança, mas sempre com a pestana aberta.

Chegar não foi um choque. Comecei a minha vida no centro - zona da Unirii, perto da Lipscani (parte velha, que tem todos os bares e restaurantes).
Aqui trabalhei todo o tempo, mas depois mudei de residência para um sítio mais tranquilo - a zona da Piata Romana. Zona mais chique, com menos gente, mais calma, onde ouvia os pássaros de manhãs e as cigarras à noite.

Mas atenção, toda a cidade tem muita pobreza, em qualquer zona que estejamos...

Vivendo ainda com as reminiscências comunistas, apresento-vos um pouco de Bucareste.

Piata Unirii
É o centro do centro. É onde todas as redes de metro vão dar. Foi mandada construir por Ceausescu, e é passada por um canal do rio Dambovita.
Tem muita gente, a qualquer hora do dia e, na minha opinião, o seu pior são os confusos semáforos, que nos deixam horas plantados à espera para atravessar as ruas.

 Piata Unirii de noite



Uma das ruas de Lipscani, que enchem de noite.

Uns dos nossos pubs preferidos, que vende topo o tipo de vinhos e tem algumas tapas (à francesa ou à romena - escolham a Romena) é o Bruno's. O custo médio por pessoa é de 8euros.



Também para comer tapas temos o Bordello's, que já foi uma casa real, já foi um bordel, já foi um hotel de luxo. Situado na Lipscani, que já albergou todo o tipo de vivências, este restaurante/bar remete-nos para o ambiente que, posso dizer, "pega" mais em Bucareste - fotografias antigas de mulheres semi-nuas, luz baixa, música ambiente.
Aqui podem ser comidas tapas de todos os lugares do mundo - desde uma espécie de "patata brava" a tacos. O preço é acessível, a comida é boa, o espaço é engraçado.


O Vangagogh, na Str. Smardan 9, Lipscani, é um dos sítios onde comialgo mais familiar - saladas, caril, tostas com óptimo aspecto. Tive a sorte de lá ir ao almoço e de ser oferta da casa um bolo de chocolate, enjoativo mas bom. Muito agradável o espaço, com uma esplanada, e refeições ligeiras (preço normal, acima da média romena, mas bom para nós...).

 O La Mama, também é uma cadeia de restaurante, como comida típica romena, mas alguma comida diferente. Foi muitas vezes o nosso escape porque é barato. Há na Lispscani e também ao pé do Atneu.

Para comidas mais exóticas, fui a um turco, que adorei: Divan, na Strada Franceza, 46-48 (mesmo no centro). Delicioso e com perfomances de dança do ventre. Decoração espectacular. Custo médio 15euros (se não forem muito abusados).
E mesmo ao lado, um húngaro, o St. George.


Comi também um libanês bom, o El Bacha, mas este já é perto da Piata Alba Ulia. Não é barato, mas também não é caro. Come-se bem, mas diz que não é o melhor libanês da cidade.

Para Sushi elegemos sempre o Zen Sushi que fica perto da Piata Unirii, do outro lado do canal, na Calea Serban Voda, nr. 86 ou então muito próximo de onde eu morava, numa paralela à Dorobanti. O shushi é bom (tem é pouco salmão, é preciso escolher bem os pratos). Fica a cerca de 15€ por pessoa, se não exagerarem.




O restaurante mais famoso de Bucareste é o Caru cu Bere, pois é mais antigo da cidade. Apesar de muito barulhento, o restaurante é muito giro, tem uma decoração clássica (tem uns dançarinos que dançam com os clientes, na parte de baixo). Aqui pode comer-se comida tradicional, a um preço médio de 15€.


Tem um restaurante da mesma gerência, também perto da Lispcani mas do outro lado do canal que é o Hanu Berarilor. É muito perto do Tribunal de Bucareste, um edifício enorme, que se vê numa das margens do canal. Tive o privilégio de lá entrar e ver a enormidade de tudo aquilo.O restaurante é considerado património histórico, é uma casa enorme com um jardim cá fora, com mesas. O atendimento é muito mau, como em muitos sítios da Roménia.

E terminando a temática das comidas, já que começámos por aqui, vale a pena ir ao Excalibur - restaurante medieval, para comer carne, salada e batatas, tudo à mão, numa cave decorada como nos antigamentes, com espectáculo de danças medievais ao fim-de-semana. Eramos 8, pedimos um prato que supostamente dava para 4, ficou frango na travessa e pagámos 25 lei. muito perto da Piata da Revolução

http://www.restaurantexcalibur.ro/index1.html.
 
É agradável caminhar entre a Lipscani e percorrer a Victoriei, onde se encontram antigos palacetes e as lojas mais caras.

Aqui podemos encontrar:

1) O Palácio Cantacuzino
nr. 141 da Calea Victoriei (Paguei 6 lei)
Construído no início do século XX por Cantacuzino,  um dos homens mais ricos à altura, da Roménia, combina arquitectura neoclássica com elementos de Arte Nova, e é realmente um edifício riquíssimo em pormenores.
A viúva de Cantacuzino casou com George Enescu, famoso compositor e hoje a casa é um museu a si dedicado.
Mas não há uma pessoa que nos explique nada sobre a história deste palacete, o porquê de haver um anexo ao lado que nos diz ser a casa onde Enescu e a mulher viviam, em quartos separados e com camas minuscúlas... 


2) O Palácio Real, Hoje Museu Nacional de Arte
Construído entre 1927 e 1937, num estilo neoclássico, o palácio foi a casa do Rei Carol II e do seu filho Mihail I, até 1947, quando a Monarquia foi abolida.
Eu apenas conheci as 15 salas de Arte Europeia. Achei muito fraquinha, com poucos quadro e muitos deles de artistas deconhecidos. Uns de El Greco, Monet, Rembrandt e Renoir, não valeram o tempo, pois dizem que se só se pode escolher entre uma das alas, que se escolha a romena. E eu acredito piamente.
Paga-se e fecha às segundas e terças feiras.



A Piata da Revolutei tornou-se famososa com a história da revolução do comunismo, mas a sua história remonta a estes edifícios acima descritos, bem como ao belíssimo Atneu.

Por vezes tem espectáculos de música, que nos permite entrar e contemplar a beleza das suas salas.
 Atneu
Obelisquo da praça da Revolução


Se continuarmos sempre a percorrer a cidade, passando por parques como o Parque Kiseleff, acabaremos por ir dar ao Arco do Triunfo. Este foi construído para honrar os heróis da Primeira Guerra Mundial, em madeira, mas depois foi terminado em granito, no ano de 36. Pode subir-se e ter uma vista panorâmica da cidade.

A Casa Presei Libere, que fica na Piata com o mesmo nome, foi construída em 1956 e até 2007 foi o mais alto edifício de Bucareste. Na sua frente foi construída uma estátua de Lenine mas destruída após a revolução de 1989, no entanto o seu pedestal continua lá, relembrando que o comunismo continua presente. Este edifício é a sede de várias empresas da imprensa. Para mim, sem dúvida, a sua melhor panorâmica é a do lado de trás, vista do lago, no Parque Herastrau.

O Parque Herastrau é o maior parque de Bucareste. Tem imensa varidade de jardins, esculturas, cafés, restaurantes, actividades. Pode alugar-se uma bicicleta de graça ou dar um passeio de gaivota ou mesmo, no seu enorme lago, dar uma volta de barco, que dá a volta ao lago todo.
Aqui podemos comer um dos meus doces preferidos romenos - kurtos kalacs.

Falando em parques, há uma série de eles em Bucareste. Aliás, a cidade está repleta. Conheci também o Parque Carol e o Parque Tineretului. E fomos ao Jardim Botânico. Vale muito apena, apesar de se pagar a entrada (quase nada) - está bem arranjado, é calmo, é limpo... e tem uma enorme variedade botânica.

No Parque Herastrau há um Hard Rock Café, com preços ao seu estilo e comidinha boa. Mas vale mesmo a pena é ir ao restaurante no topo do prédio do Banco Millenium - 18 Lounge.
Tem uma vista sobre o parque e sobre toda a zona de Bucareste até à Praça da Revolução.
Ao almoço o Menu Executivo são 20 lei e pode comer-se de tudo. Ou então ir assistir ao põr do sol, acompanhado de um cocktail.

Ainda outro restaurante italiano óptimo, um dos quais é no Parque Herastrau, outro é por exemplo, junto Atneu é o Trattoria Il Calcio.

Dentro do Parque Herastrau temos o Museu Satului, que reproduz em tamanho real as casas típicas e igrejas de várias localizações da Roménia. Vale mesmo MUITO a pena lá ir. É muito engraçado e tem-se também um dia agradável passado no parque.

Há outras salas de espectáculos, como a Ópera de Bucareste ou a Sala Palatului. Vale a pena aproveitar os preços da cultura...Ir a um bailado ou a uma ópera pode ser uma excelente experiência um preço inferior a 15 euros.

A Piata Universita fica a meio caminho entre a Unirii e a Romana e aqui há muitas manifestações, bem como é onde se localizam as grandes universidades e o Hospital Coltea (de inícios do século XVIII mas que continua a ser usado como hospital público).



Quem foi acompanhando a minha vida durante estes meses sabe que eu vivi mais a minha vida do que propriamente a vida da cidade. Por opção. Ainda assim deu para explorar umas coisas, conhecer alguns sítios engraçados e diferentes.
Por exemplo, passeando na Lispcani, encontrei uma loja diferente, com artigos de casa e que é também uma casa de chá:
Floraria Lipscani - http://www.floraria-lipscani-bucuresti.ro/

Para beber uns copos, na Lipscani:

Mojo - karaoke à semana ou uma banda de covers. Música muito boa, espaço óptimo (apesar de ser numa cave). Entrada 10 Lei

Oscar's - É um bar british, com música ao vivo (às vezes). O ambiente não é mau e tem esplanada cá fora.

Bound - Eu não gostei...  Pode acontecer o que me aconteceu... ir a um sábado à noite e ter um ambiente absolutamente indiscrítivel e de baixo nível. A música até era dançável mas ninguém se sentia bem naquele meio...

Beer O´Clock -  com uma grande variedade de cervejas alemãs, belgas, checas. Um problema quando dizemos ao anfitrião que apenas bebemos cerveja mas nos esquecemos de dizer que só bebemos da nossa cerveja...

Fire - Tem um ambiente descontraído, uma esplanada, na parte de baixo, engraçada, com as paredes decoradas. Os preços são bons!

Argentin - é um boteco, com uma esplanada simpática mas apertada e um ambiente negro. Mas vale a pena pelo preço da cerveja!!


Atelier Mecanic - o bar com gente mais gira da Lipscani. E umas limonadas enormes.




Mas se sairmos da Lispcani temos o meu sítio preferido: Club la Fabrica. Ao estilo Lx Factory, é um espaço antigo reapreoveitado, ao estilo urbano. Tem uma loja de roupa desportiva e outra de artigos desportivos. Um restaurante com uma ementa riquíssima, a preços muito atractivos. Gente gira, espaço alternativo e muito engraçado. Na Str. 11 Junie, perto da Unirii.

Discotecas só conheci a Silver Church e vi que discotecas aqui não são o meu género.

Quanto a lojas diferentes, não encontei nada de especial. Gostei muito de uma, que há perto da Piata Romana e da Lipscani - com aneis muito giros The Hippie hippue Shake, De roupa diferente, há a Glow, mas nunca lá consegui comprar nada.

Aqui e ali encontramos uma café,ou uma casa de chá giros.

A livraria Carturesti é linda de morrer e por trás tem o Gradina, uma esplanada mesmo simpática. E aí perto há outros do género. É pesquisar pela cidade, andar com os locais.

E outros como:

O Cafepedia, perto da Romana é também um espaço mesmo giro, numa casa antiga, enorme, com uma decoração muito Jazzistica! Um culto chique. Adorável mesmo. Não sei preços.

Chocolat - Boutique Restaurant; um café onde um Cappucino é 3 euros, mas muito bem serviço, com direito a uma bolachinha e tudo. Str. Radu Beller, nr. 12 (centro, Lipscani).

Embassy - Str. Dorobantilor (ou Lispcani...na Verdade a Embassy está por todo o lado), espaço mesmo giro, com puffs com bandeiras de todo o mundo. Chique mas descontraído.

White Cafe - Str. Dorobantilor. Espaço muito giro, com uns sofás lindos. Mas fomos mal atendidas, é caro e não é bom.


E claro, a não perder, mas eu perdi... (eu sei, sem censuras por favor) há o Parlamento, o segundo maior edifício do Estado do Mundo...



Outra coisa gira para visitar é o Mercado do Obor, que tem tudo: fruta, vegetais, roupa, coisas para a casa.
 
Para mais informações consultem este dois sites, que acho muito bons.





 

(fotografia de Filipa Pires)

Um comentário:

  1. Parece-me muito bem, nem parece ligar ao resto que me tens contado!
    beijo

    ResponderExcluir